domingo, 15 de fevereiro de 2015

ALTERIDADE - PARTE 1 (ciclo I)

O primeiro conteúdo do plano anual de Ensino Religioso (primeiro ano - ciclo I) é alteridade. O objetivo é "1. Reconhecer o outro, refletindo e vivenciando o diálogo e o respeito às diferenças religiosas". Para dar início a este tema sugiro a leitura do livro "Minhas Contas" de Luiz Antonio.
Para quem trabalha na Rede Municipal de Ensino de Curitiba, os Faróis do Saber têm este livro.

Sinopse da editora: Minhas contas tematiza a tolerância religiosa ao contar a história de uma amizade abalada pelo preconceito. O livro revela-se ainda uma bonita celebração da cultura africana, tão importante para a formação da identidade brasileira. Pedro e Nei são "dois furacõezinhos" inseparáveis. Mas a mãe de Pedro o proíbe de brincar com o amigo por causa dos fios de contas que ele usa. As cores e os objetos do candomblé foram o ponto de partida para Daniel Kondo conceber as ilustrações, que demonstram as características de importantes orixás. As dezoito divindades que participam da história aparecem ao final em pequenas ilustrações e textos explicativos. Na quarta capa, a escritora Heloisa Prieto confirma a relevância da obra: "O texto comove ao apontar para uma responsabilidade que é da conta de todos nós: o direito à liberdade".

Foto: O primeiro conteúdo do plano anual de Ensino Religioso (primeiro ano - ciclo I) é alteridade. O objetivo é "1. Reconhecer o outro, refletindo e vivenciando o diálogo e o respeito às diferenças religiosas". Para dar início a este tema sugiro a leitura do livro "Minhas Contas" de Luiz Antonio.
Para quem trabalha na Rede Municipal de Ensino de Curitiba, od Faróis do Saber têm este livro.

Sinopse da editora: Minhas contas tematiza a tolerância religiosa ao contar a história de uma amizade abalada pelo preconceito. O livro revela-se ainda uma bonita celebração da cultura africana, tão importante para a formação da identidade brasileira. Pedro e Nei são "dois furacõezinhos" inseparáveis. Mas a mãe de Pedro o proíbe de brincar com o amigo por causa dos fios de contas que ele usa. As cores e os objetos do candomblé foram o ponto de partida para Daniel Kondo conceber as ilustrações, que demonstram as características de importantes orixás. As dezoito divindades que participam da história aparecem ao final em pequenas ilustrações e textos explicativos. Na quarta capa, a escritora Heloisa Prieto confirma a relevância da obra: "O texto comove ao apontar para uma responsabilidade que é da conta de todos nós: o direito à liberdade".
Atividades - alteridade 1o ano.
Sugiro pedir que as crianças sentem em duplas, uma de frente para a outra e desenhem o colega. Pode-se produzir um cartaz com os desenhos.



2o ano: ALTERIDADE

Objetivo: Reconhecer o outro, refletindo e vivenciando o diálogo e o respeito às diferenças religiosas

Conteúdo: Eu e os outro somos nós

Sugestão de atividade: DINÂMICA DO ESPELHO

DINÂMICA DA CAIXA COM ESPELHO
Tempo Estimado: 30 minutos
Material: Um espelho escondido dentro de uma caixa, de modo que ao abri-la o integrante veja seu próprio reflexo.
Descrição: O professor motiva o grupo: "Cada um pense em alguém que lhe seja de grande significado. Uma pessoa muito importante para você, a quem gostaria de dedicar a maior atenção em todos os momentos, alguém que você ama de verdade... com quem estabeleceu íntima comunhão... que merece todo seu cuidado, com quem está sintonizado permanentemente... Entre em contato com esta pessoa, com os motivos que a tornam tão amada por você, que fazem dela o grande sentido da sua vida..." Deve ser criado um ambiente que propicie momentos individuais de reflexão, inclusive com o auxílio de alguma música de meditação. Após estes momentos de reflexão, o coordenador deve continuar: "... Agora vocês vão encontrar-se aqui, frente a frente com esta pessoa que é o grande significado de sua vida".Em seguida, o coordenador orienta para que os integrantes se dirijam ao local onde está a caixa (um por vez). Todos devem olhar o conteúdo e voltar silenciosamente para seu lugar, continuando a reflexão sem se comunicar com os demais. Finalmente é aberto o debate para que todos partilhem seus sentimentos, suas reflexões e conclusões sobre esta pessoa tão especial. É importante debater sobre os objetivos da dinâmica. Pode-se pedir que as crianças façam um registro, por meio de desenho, de como se sentiram ao ver sua imagem na caixa.




Para falar de alteridade com o segundo ano sugiro o livro (disponibilizado em power point) "Ninguém é igual a ninguém". Após a leitura do texto podemos fazer a impressão digital dos dedos das crianças em uma folha, pedir que coparem um dedo com o outro e com os dedos dos colegas. Depois, as crianças podem criar desenhos a partir das impressões.
NinguéM é Igual A Ninguém
http://pt.slideshare.net/celoym/ningum-igual-a-ningum-presentation

Atividades com digitais
Foto: Atividades com digitais.
3o ano: ALTERIDADE

OBJETIVO: 1. Reconhecer o outro, refletindo e vivenciando o diálogo e o respeito às diferenças religiosas

CONTEÚDO: Eu e o outro somos nós.

SUGESTÃO DE ATIVIDADE:

- Ouvir a música “É tão lindo” – balão mágico
- Escrever a música em um cartaz e fazer a leitura apontada.
- Desenho de ouvido*

*DESENHO DE OUVIDO

A PROFESSORA DEVE DAR UMA FOLHA SULFITE PARA CADA CRIANÇA. E DEVE DAR AS COORDENADAS PARA O DESENHO. POR EXEMPLO:

- DESENHE UMA CABEÇA EM FORMA DE OVO;
- OS OLHOS PARECEM DUAS BOLINHAS DE GUDE;
- O NARIZ TEM FORMA DE CENOURA;

ATÉ QUE CONCLUAM O DESENHO, COM CORPO, MÃOS, PÉS, ETC. TUDO DE ACORDO COM AS COORDENADAS DA PROFESSORA.
AO FINAL A TURMA DEVE REFLETIR: A PROFESSORA FALOU A MESMA COISA PARA TODA A TURMA, MAS OS DESENHOS FICARAM TODOS DIFERENTES. POR QUAL RAZÃO?



4 comentários: